loading...
Sponser

26 DE SETEMBRO – Assembleia Geral referenda participação de professores e professoras da UFC na Greve da Educação Federal nos dias 2 e 3 de outubro

Paralisação de 48 horas com atividades descentralizadas em todos os campi e participação em grande ato unificado em defesa da autonomia universitária vão dar o tom da Greve da Educação Federal, nos próximos dias 2 e 3 de outubro. A decisão foi referendada durante Assembleia Geral dos professores da Universidade Federal do Ceará (UFC), convocada pela ADUFC e realizada nesta quinta-feira (26/9). Na assembleia anterior (5/9), a categoria já havia definido participar da greve – então com data indefinida, em consonância com o calendário nacional do Andes-SN. Análise de conjuntura e decisão pela manutenção da tenda e do Comitê em Defesa da Autonomia Universitária – funcionando há pouco mais de um mês – também pautaram o encontro de ontem, que ocorreu nos jardins da Reitoria.

A realização de uma greve de 48 horas nessas datas vem sendo articulada pelo ANDES-SN, com apoio de diversas entidades, tendo como referência as deliberações das assembleias de base realizadas nas instituições federais de ensino nas últimas semanas e também o calendário de lutas que vem sendo construído em conjunto com as demais entidades do Setor da Educação. 

Na discussão de um dos principais pontos tratados na Assembleia Geral (assista aqui), os professores decidiram por organizar um ato de rua no dia 3 (quinta-feira), com o tema Educação e Soberania não se vendem! Se defendem! A concentração tem início às 8h30 no cruzamento das Avenidas 13 de Maio e Universidade, em frente à Reitoria. Em Fortaleza, as ações que integram a Greve da Educação Federal devem ser finalizadas apenas no fim da tarde, com ato cultural em local a ser definido. 

A movimentação, no entanto, terá início na manhã do dia anterior (2/10, quarta-feira), com café da manhã nos três campi de Fortaleza. No Benfica, as atividades começam no Bosque das Letras. No Pici, será na Biblioteca Central. No campus do Porangabuçu, o local ainda será definido. Neste dia, deve haver envolvimento de professores e alunos nas atividades descentralizadas propostas para a data, como serviços, ações culturais e esportivas e participação de projetos de Extensão nos espaços de convivência dos campi.

Democracia e interiorização

Novamente, foi decidida a manutenção da tenda nos jardins da Reitoria e do Comitê em Defesa da Autonomia Universitária. Na assembleia de ontem, a categoria decidiu organizar tendas também nos campi do Interior, para realizar ações semelhantes àquelas já organizadas pelo Comitê na Capital, envolvendo estudantes, docentes e técnico-administrativos da UFC. Foi deliberada, ainda, a implantação do Corredor Democrático do Benfica, com atividades a serem realizadas nos dias 13 de outubro e 10 de novembro.

Encontros Universitários na Praça

Com o anúncio do adiamento dos Encontros Universitários em Fortaleza (EU 2019) apenas para abril de 2020, o Comitê em Defesa da Autonomia Universitária propôs realizar, em novembro próximo, os Encontros Universitários na Praça. Ainda sem data e locais definidos, eles devem envolver professores de todas as áreas e de todos os campi da Capital, com bolsistas de todos os projetos. A ideia é montar tendas com rodas de conversa envolvendo também a sociedade civil, sindicatos da educação e movimentos sociais. O anúncio do adiamento desta edição do maior evento acadêmico da UFC foi feito pela administração superior da Universidade, no último dia 18 de setembro.  

Educação ganha apoio de Centrais e Frentes

Durante a deliberação dos encaminhamentos da Assembleia Geral, os professores e professoras foram informados de que havia sido aprovado, em reunião ocorrida mais cedo, a participação das centrais sindicais que atuam no Ceará e das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo no ato de rua da Greve da Educação Federal – dia 3 de outubro. A informação foi repassada por um dos dirigentes da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), José Batista Neto, que participou da assembleia na tenda do Comitê. Uma reunião ampliada com esses segmentos foi marcada para o dia seguinte (27/9) e realizada durante toda a manhã, no mesmo local.

Diversos segmentos ligados a essas Frentes somaram-se à reunião ampliada e definiram apoio. A exemplo de movimentos sociais como Correnteza, Rua, Levante Popular da Juventude e Consulta Popular; diretórios acadêmicos da UFC como o do curso de Biologia; e estudantes e professores de escolas de ensino médio. Entre os sindicatos presentes, estavam, além da ADUFC e SINTUFCe, construção civil, rodoviários e gráficos.