Instituto do Cérebro da UFRN é tema de primeira palestra do ano da ADUFC-Sindicato em parceria com SBPC blog / Espaço Cultural / eventos / Notícia / slide

Para iniciar o ciclo de debates de 2017 da ADUFC-Sindicato em parceria com a Secretaria da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência no Ceará (SBPC), no próximo dia 23 de março, no auditório do Sindicato, às 18 horas, será realizada a palestra ”Soberania x Desmonte Científico: a experiência do Instituto do Cérebro da UFRN”, ministrada pelo professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Sidarta Ribeiro. O evento é aberto ao público.

A iniciativa faz parte do Projeto “Ciência, Tecnologia e Cultura em Debate nas Universidades Federais do Ceará”, lançado em março de 2016 com o objetivo de instituir um espaço de debates interdisciplinares e fortalecer a relação da ADUFC-Sindicato com a comunidade acadêmica e a sociedade, tendo a SBPC como elo de ligação dessa ação.

Sobre o Tema

O tema da palestra fala sobre a experiência de implantação do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) como um caso de repatriação de capital humano e ação proativa para diminuir o desequilíbrio regional na produção científica do Brasil. O atual colapso da estratégia nacional em ciência e tecnologia e os graves riscos acarretados por este colapso, também serão debatidos.

Currículo do professor Sidarta Ribeiro

Professor Titular de Neurociências e Diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). É Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (1993), Mestre em Biofísica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994), Doutor em Comportamento Animal pela Universidade Rockefeller (2000) com Pós-Doutorado em Neurofisiologia pela Universidade Duke (2005). Tem experiência nas áreas de neuroetologia, neurobiologia molecular e neurofisiologia de sistemas, atuando principalmente nos seguintes temas: Sono, sonho e memória; plasticidade neuronal; comunicação vocal; competência simbólica em animais não-humanos; psiquiatria computacional e neuroeducação.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *